Federação Nacional das Associações dos Oficiais de Justiça Avaliadores Federais

Federação Nacional das Associações dos Oficiais de Justiça Avaliadores Federais

ARTIGO: AH, EU SOU CONTRA A GREVE. E AÍ? PDF Imprimir E-mail
Escrito por jornalista Caroline P. Colombo   
Ter, 02 de Setembro de 2014 17:36

Por Charles Agostini
Presidente da Assojaf-15

Acho que entre nós, servidores do Judiciário, não há dúvida de que nosso salário está congelado, sem qualquer tipo de correção, desde 2006. Também me parece que todos sentem os efeitos da inflação, que nos dizeres do governo anda pela casa dos 6% (mas sabemos que é mais do que isso no nosso bolso). Igualmente não me parece ser necessário nenhum esclarecimento sobre o motivo de não termos correção anual dos salários pela inflação passada.
Agora, que alternativas temos? Procurar outro emprego? Começar a vender Avon, Natura, fazer coxinha para fora, enfim, complementar a renda? Aceitar que é assim mesmo e continuar a cortar na carne, tirando filho de escola particular, vender o carro e comprar uma bike, entregar a casa financiada para o banco e ir morar com a sogra? Ou tentar mudar esse estado de coisas?
É curioso que muitos achem que gostamos de estar em greve, nós, dirigentes sindicais. Para todos, a greve é cansativa, penosa, extenuante, causa ansiedade e diversos transtornos, em especial quando não vemos avançarem as negociações.  Quem está no sindicato, além de todos esses males, tem mais um, o medo de estar liderando mal, ou no caminho errado, ou na medida errada, ou na hora inapropriada. Sim, pois além dos riscos que todos correm, ainda corremos o adicional, de sermos considerados culpados pelos colegas se o resultado não for o esperado.
Agora, por quê temos tão poucos colegas em greve, se o problema aflige a todos?
Costumo dizer que há um manual, “2.500 desculpas para não estar em greve”. E já ouvi todas elas, bem como suas variações. Desde “minha religião não permite” (1.847), até “entendo que eu deva servir ao público em primeiro lugar” (992). Poucos são aqueles que usam a desculpa nº 01, que diz: “sou um oportunista; se aqueles em greve conseguirem o reajuste, eu o terei sem esforço. Por outro lado, se forem derrotados, ficarão sozinhos com o prejuízo de colocar o serviço atrasado em ordem”.
Sim, esse é o único motivo verdadeiro. Por isso tem o número 01 no manual. Todas as demais falas são para esconder essa posição de oportunismo, de querer levar vantagem em tudo. Só que essa “Lei de Gerson” mais uma vez não vai funcionar. Ou todos vêm para o movimento e param os serviços, engrossando as fileiras da greve, ou ficaremos sem reajuste salarial até 2018. Ou vocês acham que o(a) novo(a) presidente já começará o governo reajustando nossos salários? “Sabe de nada, inocente”...

ESTE ARTIGO É DE INTEIRA RESPONSABILIDADE DO AUTOR, NÃO SENDO ESTE, NECESSARIAMENTE, A OPINIÃO DA DIRETORIA DA FENASSOJAF